O REMÉDIO CORAJOSO

 em Espiritualidade, evolução espiritual

 

América Paoliello Marques

 Rio, Março de 1982

 

Os ensinamentos espirituais nos falam de uma correspondência, segundo a qual a mesma lei rege o macro e o microcosmo.

E a grande Alquimia Hermética propõe a transmutação dos metais para a obtenção do ouro puro que simboliza o objetivo ou a meta representada pela depuração do espírito e sua consequente renovação, para que se cumpra a Lei da Evolução.

Dentro dessa constante, é comum observarmos que os Guias Espirituais ilustram seus ensinamentos com exemplos baseados nos fenômenos da natureza, onde as tempestades morais vividas por nós são analisadas de forma a nos reconciliarmos com a Grande Lei da Vida, que se manifesta tanto na bonança dos dias festivos como nos cataclismos que ameaçam fazer o solo nos fugir dos pés.

Dentro desse panorama integrado de lutas renovadoras, os mundos se formam e desaparecem, em analogia perfeita com as crises existenciais que abalam o equilíbrio instável em que vivemos.

E no “final dos tempos”, podemos relembrar as palavras proféticas de Jesus sobre as guerras e comoções geológicas responsáveis pelo período de grandes transições para o surgimento da nova civilização terrena.

E quanto a nós? Como nos tocaria essa fase de transição planetária?

A separação dos “lobos” e das “ovelhas” já vem ocorrendo gradualmente. “Quem não é por mim é contra mim”, disse o Mestre.

Porém, como corresponder a essa emergência de renovação espiritual se não conseguimos nem ao menos perceber corretamente o que se passa conosco? Se nos falta humildade e grandeza de espírito para um diagnóstico dos males que nos afligem?

Jesus nos recomendou que quando uma diferença existisse entre nós procurássemos à parte o nosso irmão para o entendimento evangélico. Entretanto afirmou que não nos podia dizer tudo, pois o amadurecimento humano precisaria ocorrer antes que a Espiritualidade pudesse trazer novas orientações proveitosas.

Cabe a nós discernir os rumos novos para os procedimentos capazes de corresponderem às nossas necessidades espirituais.

Allan Kardec nos afirmou que o Espiritismo assimilaria tudo que a ciência demonstrasse ser necessário ao progresso humano, sendo essa a parte humana da Revelação.

Em todas as partes do mundo surge uma ciência que se consolida na experiência do dia-a-dia, cuja finalidade é o desenvolvimento dos recursos humanos buscado nos princípios da Psicologia Preventiva, cuja função é tornar mais saudável o convívio de grupos e de pessoas nas instituições.

Através de um trabalho sistematizado e planejado, os males ou doenças da convivência humana vão sendo identificados e tratados de forma cientificamente orientada.

Da mesma forma pela qual os estados atmosféricos metabolizam as cargas climáticas em tempestades e trovões; da mesma forma pela qual o “Final dos Tempos”, com seu acúmulo de dores, prenuncia os “Tempos que são Chegados” na área espiritual humana, a renovação se faz urgente e dolorosa nos ambientes onde o convívio dos grupos humanos exige um tratamento mais adequado.

A literatura espírita fala da renovação do rebanho sob um só Pastor e mensagens como as de Djiwal Khul (1) e outros ensinos espiritualistas afirmam que a época é a dos grupos se formarem para maior união e progresso das coletividades.

Todas essas considerações nos conduzem a meditar sobre a analogia entre as grandes comoções sociais e geológicas que vivemos e os conflitos intensificados da nossa época atribulada, onde grandes renovações sociais e espirituais nos chamam ao confronto com a realidade que vivemos, seja individual seja coletivamente.

Para grandes males, grandes remédios. Chamar nosso irmão à parte poderia ser ainda um encontro a dois, se houvesse tempo… No desembocar acelerado da passagem para o 3° Milênio precisaremos aceitar o remédio corajoso que nos obriga às confrontações, também em massa, com nossos males grupais.

As técnicas psicológicas de grupo provocam a descarga da atmosfera espiritual de forma muito incômoda, tal como a natureza reage por um mecanismo saudável à sobrecarga negativa que a constrange. Mas o Sol torna a mostrar-se para uma renovação saudável da vida.

Se a renovação ocorre no processo da vida material, poderíamos descrer de que o “Sol” interior dos seres humanos, representado em sua Centelha Divina, seria incapaz de produzir efeito análogo?

“Assim como é no grande é também no pequeno”, afirma a filosofia hermética. “Vós sois deuses”, disse-nos Jesus. A proporção que buscamos em nós o Reino Divino da Energia que está latente em nosso íntimo, confirmaremos que a Grande Lei também se cumpre para nós.

 

 

(1) Ver O NOVO GRUPO DE SERVIDORES DO MUNDO – páginas 315-341 da obra TRATADO DE MAGIA BRANCA (ou  O Caminho do Discípulo), de Alice Bailey (1951

Postagens Recentes

Deixe um Comentário